Ex-Prefeito e sua irmã estão sendo acusados de desviar equipamentos da Prefeitura de Boa Vista do Tupim

Uma ata da Comissão de Transmissão de Governo do município de Boa Vista do Tupim, está sendo usada como prova do desvio de equipamentos e subtração de informações que continham em computadores da prefeitura da cidade.Tudo está registrado, através do depoimento do ex-secretário de Administração  Mario Brito Freitas, que acusa o seu antigo chefe, o prefeito derrotado Gidú Trabuco (PT)   e a irmã Andreia Geisa Trabuco de determinar a um funcionário a retirada dos equipamentos dos computadores que armazena os dados e as informações, denominado HDs.

ex-secretário denunciou seu antigo chefe

O ato criminoso determinado pelo ex-prefeito, causou um grave transtorno para a atual gestão, pois todas as informações referentes aos servidores e de programas importantes como Bolsa Família, Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) e até os arquivos do Programa de Saúde da Família (PSF), foram apagados prejudicando a toda comunidade do município “O Gidu agiu como um moleque criminoso, pois cometeu uma verdadeira atrocidade contra a população, essas informações era muito importante para dar continuidade aos programas sociais e pode prejudicar os repasses do governo federal” reagiu o atual prefeito Helder Campos (PSDB).

Outro setor que ficou prejudicado, foi a Secretaria de Finanças que teve todos os bancos de dados dos contribuintes apagados e com isso prejudicando a arrecadação do município. “Estamos com a vida financeira da prefeitura comprometida e a subtração dos equipamentos causou outro problema, não temos informações sobre a vida funcional dos servidores. Ficamos sem saber quais servidores estão em férias, ou de licença, um verdadeiro caos administrativo” relata Tatiane Emanuela Matos Vasconcellos de Aragão atual Secretaria de Administração.

A senhora Andreia Geisa Trabuco informou que a ordem do prefeito era tirar os HDs dos computadores alegando que os sistemas eram contratados até o dia 31 de dezembro” trecho do depoimento de Mario Freitas na ata da

situação precária dos setores da prefeitura

Comissão.  A administração atual, alega que os equipamentos fazem parte do patrimonio da Prefeitura e que a empresa que locou os sitemas é obrigada a ceder as informações para o município “todas as informações da prefeitura é de domínio público. Não faz sentido um gestor, locar um sistema para a prefeitura e dados importantes como o cadastro de pessoas do bolsa família ficarem nas mãos dessa empresa. Além do mais, os computadores é de propriedade da Prefeitura, os HDs é uma peça dessas máquinas e não poderia ser retirada. Isso é crime!” indigna-se Tatiane.

Com relação as atitudes criminosas dos envolvidos, as secretárias Edinete Silva Cruz da Ação Social e Tatiane Aragão da Administração se dirigiram a Delegacia de Polícia para abrir um boletim de ocorrência para investigar o caso. No caso da confirmação do delito, os autores responderão, segundo está previsto no Artigo 312 do Código Penal Brasileiro e se enquadra nos crimes praticados por funcionário público contra a administração em geral, que dispõe o seguinte: Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio.” Quem comete este tipo de crime está sujeito a uma pena de reclusão de 2 a 12 anos e pagamento de multa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *